Mosteiro da Luz, na região central de São Paulo, foi fundado por Frei Galvão, o primeiro santo brasileiro, em 1774. Em 2008, dois corpos mumificados foram encontrados por acaso no local. Técnicos que tentavam descobrir um ninho de cupins chegaram até eles, enterrados na parede de uma sala que já havia sido usada como cemitério. Desde a fundação, 129 religiosas que viviam no mosteiro morreram. Imagine as histórias que surgiram a partir desta descoberta?

Para um grupo de 15 freiras que viviam enclausuradas no mosteiro na época, o encontro das múmias foi um ‘sinal de Deus de que vale a pena viver uma vida consagrada diante da vontade Dele neste mundo’. Uma antiga lenda diz que as freiras que dormiam no andar de cima do mosteiro ouviam barulhos estranhos que vinham do cemitério do convento. Esses barulhos eram parecidos com pancadas na parede.

Atualmente, nas celebrações religiosas que ocorrem na igreja de Frei Galvão aos domingos, é possível comprar pães caseiros realizados pelas próprias freiras enclausuradas.